A chemical and mineral oil storage facility is seen at Hamburg Port Morris MacMatzen/Getty Images

Por que razão os mercados não têm capacidade para arrefecer o planeta?

MILWAUKEE — Num momento em que as temperaturas globais aumentam a um ritmo alarmante, começou a corrida à redução do consumo mundial de combustíveis fósseis e à adopção mais célere de formas mais verdes de energia. Entre as soluções mais discutidas estão aquelas que usariam as forças do mercado para tornar aumentar os preços dos combustíveis tradicionais; as ideias incluem fixar um preço para o carbono e proteger os recursos naturais que removem o dióxido de carbono da atmosfera.

À primeira vista, as estratégias com base no mercado parecem apelativas. Afinal de contas, tal como Adam Smith salientou na obra A Riqueza das Nações, “Não é da benevolência do talhante, do cervejeiro ou do padeiro que esperamos o nosso jantar, mas sim da sua consideração pelo seu próprio interesse”. Por outras palavras, a melhor forma de convencer emissores como a Chevron ou a General Motors a contribuirem para salvar o planeta será apelar à sua motivação de lucro, correcto?

Não necessariamente. Embora os mercados livres possam ter orientado grande parte do mundo rumo a um futuro mais rico e saudável, depositar a nossa fé na “mão invisível” de Smith para vencer a luta contra as alterações climáticas seria um erro trágico.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/oZD6r8r/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.