Sausage manufacturing John Macdougall/Getty Images

A indústria da carne e as alterações climáticas

BERLIM – No ano passado, três das maiores empresas de carne — a JBS, a Cargill e a Tyson Foods — emitiram mais gases com efeito de estufa do que a França, e uma quantidade quase idêntica à de algumas grandes empresas petrolíferas. No entanto, enquanto as empresas gigantes do sector energético como a Exxon e a Shell foram objecto de acções judiciais por contribuírem para as alterações climáticas, as indústrias da carne e dos produtos lácteos têm, em grande medida, conseguido evitar o escrutínio. Se quisermos evitar um desastre ambiental, este padrão duplo deve ser alterado.

Para chamar a atenção para esta questão, o Instituto para a Agricultura e a Política Comercial, a GRAIN e a Fundação Heinrich Böll da Alemanha associaram-se recentemente para analisar a "pegada climática excessiva” do comércio mundial de animais. Os resultados que obtivemos foram chocantes. Em 2016, as 20 maiores empresas de carne e produtos lácteos do mundo emitiram mais gases com efeito de estufa do que a Alemanha. Se estas empresas fossem um país, seriam o sétimo maior emissor do mundo.

É evidente que a atenuação das alterações climáticas exigirá o controlo das emissões provenientes das indústrias de carne e produtos lácteos. A questão é saber como fazer esse controlo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/YSvp2kw/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.