Margaret Scott

A Tempestade Política da China

NOVA DELHI – À medida que altos dirigentes são purgados e que funcionários provinciais aposentados apelam publicamente para que membros do Politburo sejam removidos, tornou-se claro que a China está numa encruzilhada. O futuro da China já não parece ser determinado pela sua economia extremamente bem-sucedida, que transformou o país numa potência mundial numa única geração. Em vez disso, a turva e cada vez mais fracturada política do país está a condicionar agora o seu destino.

Basta olharmos para a actual luta pelo poder, em vésperas das mudanças de liderança planeadas para o outono, ou para os números oficiais que mostram que os protestos rurais têm aumentado à mesma taxa que o PIB da China. A queda súbita de Bo Xilai – e o apelo da Província de Yunnan para que sejam removidos os dois membros do Politburo que lhe eram mais próximos – é só um exemplo das lutas internas sem quartel que estão a ocorrer em Zhongnanhai, o recinto fechado dos líderes em Beijing. Na verdade, diz-se que as querelas intestinas são tão cruéis que houve rumores, negados pelo regime, que o congresso do Partido Comunista, onde um novo presidente e primeiro-ministro devem ser ungidos este outono, pode ser adiado.

A abrupta vilificação de Bo pelo Partido depois de o louvar pela sua liderança em Chongqing alimentou o cinismo público sobre a sua queda orquestrada e pôs a nu o ténue núcleo ideológico da liderança. Se a China pretende preservar os seus ganhos em estatura global, deve evitar uma aterragem política forçada. Neste momento, são concebíveis pelo menos cinco cenários diferentes.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/KUycSXw/pt;