Skip to main content

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions

biswas13_Vincent IsoreIP3Getty Images_chinabusinessbuildingman Vincent Isore/IP3/Getty Images

A evolução da responsabilidade social corporativa chinesa

GLASGOW/SINGAPURA – Na última década, as empresas chinesas fizeram avanços importantes quanto à incorporação de questões ambientais, sociais e de governação (ASG) no seu processo de tomada de decisões. Mas ainda têm um longo caminho a percorrer, e não conseguirão fazê-lo sozinhas.

A ideia da responsabilidade social corporativa é relativamente recente na China. Entre o público chinês, a RSC começou a ganhar ímpeto em 2008, quando um terramoto de magnitude 8,0 atingiu a província de Sichuan, provocando 69 181 mortos, 374 171 feridos e 18 498 desaparecidos. Mais de 15 milhões de lares foram destruídos, deixando 10 milhões de pessoas desalojadas. Os danos totais foram estimados em 150 mil milhões de dólares.

Depois do denominado Grande Terramoto de Sichuan, o público chinês exigiu que as empresas contribuíssem para a recuperação. As empresas responderam, oferecendo apoios no valor de 1500 milhões de dólares – e abrindo um novo precedente para a RSC filantrópica na China.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/kOJvBKGpt;

Edit Newsletter Preferences