Skip to main content

kaixi2_ZhangPengLightRocketviaGettyImages_chinesemetrotravelersoncellphones Zhang Peng/LightRocket via Getty Images

A nova ordem mundial da comunicação social da China

PARIS – Desde o massacre na Praça Tiananmen, há 30 anos, que a China alcançou um extraordinário desenvolvimento económico. No entanto, ao contrário das expetativas de muitos líderes e analistas ocidentais, o país não acolheu gradualmente a liberdade de imprensa ou o respeito pelos direitos civis. Pelo contrário: tal como um recenterelatório da organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) mostra, a China está atualmente a trabalhar ativamente para construir uma repressiva “nova ordem mundial da comunicação social” - uma iniciativa que representa um perigo claro e presente para as democracias mundiais.

A liberdade de imprensa, uma das principais exigências dos manifestantes de Tiananmen, está oficialmente garantida pelo Artigo 35 da Constituição da China. No entanto, o Partido Comunista da China (PCC) e o seu aparelho estatal ainda desrespeitam sistematicamente essa disposição.

Na verdade, a China é um dos principais carcereiros de jornalistas do mundo e ocupa o 177.º lugar entre 180 países no Ranking Mundial de Liberdade de Imprensa de 2019 da RSF. A “Grande Muralha Digital da China”, um sistema de filtragem de Internet ultrassofisticado, limita o acesso da maioria dos 830 milhões de utilizadores de Internet da China e o PCC não tem escrúpulos em pressionar os editores e as plataformas de comunicação social a autocensurarem-se. Atualmente, a China rejeita abertamente a Declaração Universal dos Direitos Humanos com a retórica sobre “harmonia social” e a “relatividade dos valores”.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/k9kNbZw/pt;
  1. sinn88_Sean GallupGetty Images_mario draghi ecb Sean Gallup/Getty Images

    The ECB’s Beggar-thy-Trump Strategy

    Hans-Werner Sinn

    The European Central Bank's decision to cut interest rates still further and launch another round of quantitative easing raises serious concerns about its internal decision-making process. The ECB is pursuing an exchange-rate policy in all but name, thus putting Europe on a collision course with the Trump administration.

    3

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions