rogoff213_Pictures Ltd.Corbis via Getty Images_chinarealestate Pictures Ltd./Corbis via Getty Images

O dilema da China com a habitação

CAMBRIDGE – A iminente falência do gigante chinês do imobiliário Evergrande, com a sua dívida de 300 mil milhões de dólares, preocupou os investidores globais. Os analistas centraram-se principalmente na capacidade do governo chinês conseguir conter o problema, para que não alastre numa crise financeira ao estilo ocidental e mais generalizada.

Considerando os bolsos fundos do governo, que incluem mais de 3 biliões de dólares em reservas de moeda estrangeira, e a sua capacidade de impor condições de reestruturação sem grandes atrasos judiciais, poucos apostariam num desfecho diferente. Mas a concentração na estabilidade financeira no curto prazo ignora o desafio mais importante da China: reequilibrar uma economia que depende há demasiado tempo do seu enorme sector de investimento imobiliário para conseguir empregos e crescimento.

O sobredimensionamento do imobiliário e dos serviços associados no PIB chinês (uns impressionantes 25%, apenas beliscados depois de ajustados pelas exportações líquidas) é ainda maior que a parte do sector imobiliário nas economias espanhola e irlandesa, no seu pico pré-2008. Devido aos seus efeitos multiplicadores sobre outros sectores, um abrandamento significativo do sector imobiliário da China poderia facilmente retirar 5 a 10% do crescimento cumulativo do PIB durante alguns anos subsequentes.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/F4OkE8npt