willems5_FRANCOIS GUILLOTPOOLAFP via Getty Images_charliehebdomemorial Francois Guillot/Pool/AFP via Getty Images

A diabolização dos jornalistas tem de acabar

AMESTERDÃO – Há cinco anos, neste mês, Saïd e Chérif Kouachi irromperam pelas instalações da revista satírica francesa Charlie Hebdo e, num pesadelo que durou poucos minutos, mataram 12 pessoas. Nos dias seguintes, milhões marcharam em França e noutros locais para expressar a sua solidariedade com os jornalistas assassinados.

Para os europeus, a chacina do Charlie Hebdo representou o primeiro ataque em massa a jornalistas perto da sua casa. #JeSuisCharlie (“Eu sou Charlie”) tornou-se um dos mais populares hashtags de sempre no Twitter. A liberdade de imprensa estava em alta.

Desde então, porém, a luta para defender a liberdade jornalística perdeu alento, e a mobilização pública comprovou ser fugaz, nomeadamente no caso do Charlie Hebdo. Em Janeiro de 2019, os funcionários da revista queixaram-se num editorial de que as pessoas já não queriam ouvir falar do tiroteio. “Talvez devessem deixar isso para trás!”, terão alegadamente ouvido.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/88PGZq8pt