Bancos centrais e o saldo final

MUNIQUE – Em todo o mundo, o balanço patrimonial dos bancos centrais está a tornar-se numa preocupação cada vez mais séria - principalmente para os próprios decisores de política monetária. Quando o Banco Nacional da Suíça (SNB) abandonou a taxa de câmbio mínima no mês passado, fazendo com que o franco suíço disparasse através de uma forte valorização de 20%, parecia estar a agir com medo de que sofreria perdas no balanço patrimonial, caso mantivesse a compra de euros e de outras moedas estrangeiras.

Da mesma forma, os críticos da decisão de proceder à flexibilização quantitativa na zona euro temem que o Banco Central Europeu esteja perigosamente exposto a perdas em títulos do governo dos membros do Sul da zona euro. Isso levou o Conselho do BCE a deixar 80% dessas compras de títulos no balanço patrimonial dos bancos centrais nacionais, onde serão da responsabilidade dos governos nacionais.

Nos Estados Unidos, por sua vez, o movimento “Fiscalizar a Fed” está de volta. Motivado pelo crescimento dos activos e passivos da Reserva Federal, os republicanos estão a introduzir propostas de lei em ambas as câmaras do Congresso para exigirem que a Fed revele mais informações sobre as suas operações monetárias e financeiras.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/0RliSba/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.