Skip to main content

psanchez1_Jeff J MitchellGetty Images_cataloniaspainflag Jeff J Mitchell/Getty Images

A Catalunha, a Espanha e a Europa são melhores quando unidas

MADRID – Acima de tudo, a Europa é liberdade, paz e progresso. Temos de promover estes valores, e de tornar a Europa no principal modelo para a integração e a justiça social que protege os seus cidadãos. A Europa a que aspiramos, a Europa de que necessitamos, a Europa que estamos a construir baseia-se na estabilidade democrática entre os estados-membros, e não pode aceitar a violação unilateral da sua integridade. A Europa que admiramos foi construída sobre o princípio das identidades sobrepostas e da igualdade para todos os cidadãos, e sobre a rejeição das ideologias extremistas e do nacionalismo.

Por este motivo, o desafio do separatismo na Catalunha, concebido em oposição e exteriormente ao enquadramento constitucional de Espanha, e que silencia a maioria dos catalães que estão contra a independência, é um desafio para a Europa e para os europeus. A preservação destes valores na Catalunha de hoje significa proteger a Europa aberta e democrática que defendemos.

A Espanha consagrou estes valores em 1978, quando criou e ratificou uma constituição plenamente democrática. Esse documento histórico foi aprovado por quase 88% dos eleitores num referendo. Na Catalunha, o apoio e a afluência foram ainda superiores: perto de 90,5% dos catalães apoiaram a nova constituição.

A Espanha escapou dessa forma à sombra longa e escura da ditadura, e lançou os alicerces para um estado baseado no primado do direito, comparável hoje às democracias de longa data da Europa Ocidental. As liberdades individuais, pelas quais lutaram e venceram os espanhóis de várias crenças e proveniências, nomeadamente muitos catalães, foram restauradas. E a Constituição de 1978 também proporcionou uma resposta inovadora e progressista para a diversidade territorial de Espanha, tratando-a como um autêntico recurso digno de reconhecimento. Perto de 40 anos depois, o Índice de Democracia, publicado pelo The Economist, classifica a Espanha como uma das 20 democracias plenas do mundo.

A Espanha contemporânea é o segundo país mais descentralizado da Europa, e a Catalunha desfruta de alguns dos mais elevados níveis de autonomia regional do continente, com competências abrangentes sobre sectores cruciais, como a comunicação social e pública, a saúde, o ensino e o sistema prisional.

Hoje, contudo, a Catalunha não está associada ao espírito da criatividade e da iniciativa, qualidades que são largamente admiradas pelo mundo, mas também a uma crise profunda, causada pela violação unilateral da ordem constitucional de Espanha provocada pelos líderes separatistas da região durante o Outono de 2017. Os líderes da Catalunha renegaram todos os requisitos e resoluções definidos pelo Tribunal Constitucional, aprovaram leis inconstitucionais de “dissociação” do estado espanhol, organizaram um referendo ilegal, e declararam uma suposta República Catalã.

Subscribe now
ps subscription image no tote bag no discount

Subscribe now

Subscribe today and get unlimited access to OnPoint, the Big Picture, the PS archive of more than 14,000 commentaries, and our annual magazine, for less than $2 a week.

SUBSCRIBE

Nenhum estado permitiria alguma vez a secessão unilateral de um território que faça parte da sua ordem constitucional. E nenhum democrata deveria apoiar o caminho tomado pelos líderes separatistas, que ganharam menos dos 48% dos votos expressos nas eleições regionais. A sua proposta enganadora de independência inflamou as paixões populares e, ajudada pela proliferação deliberada de notícias falsas, encorajou um profundo sentido de injustiça e confronto com o resto de Espanha. Onde estava a voz e o voto daqueles catalães, a maioria, que se opunham à independência? Onde estava a voz daqueles espanhóis que assistiam, perplexos, a uma violação directa das garantias da sua Constituição?

O meu governo distinguiu-se por colocar a expansão dos direitos e das liberdades acima de tudo. Os elevados padrões que definimos em questões como a igualdade de género foram reconhecidos por organizações internacionais. Nunca, por conseguinte, concordaríamos com a mais ínfima restrição à liberdade de expressão. O presidente da Generalitat de Catalunya (o governo regional da Catalunha) é um separatista radical, mas não é impedido de expressar livremente as suas opiniões, nem proibido de defendê-las publicamente, apesar da dor e dos danos que causam à coexistência pacífica na Catalunha.

O mesmo é verdadeiro para as autarquias e governos locais separatistas, e para as associações que apoiam a independência. Podem expressar as opiniões que quiserem, desde que não promovam ou encorajem actos criminosos. Todos os espanhóis são iguais perante a lei, e a Constituição e a democracia são realidades inseparáveis.

No estado de direito democrático de Espanha, o poder judicial é plenamente independente e permite que as suas decisões sejam revistas por autoridades nacionais e internacionais. O governo respeita e cumpre todas as decisões judiciais. Isto inclui a decisão do Supremo Tribunal contra nove líderes separatistas acusados pelos actos ilegais que desempenharam durante o Outono de 2017. Nesse caso, o Tribunal agiu com a maior transparência possível: os processos foram transmitidos em directo pela televisão.

As reacções à decisão do Supremo Tribunal foram extremamente variadas: embora alguns acreditem que terá sido demasiado brando ao atribuir sentenças de prisão entre 9 e 13 anos, outros organizaram manifestações contra o veredicto. Embora alguns destes protestos tenham sido pacíficos, outros caíram na violência extrema.

Os direitos à manifestação e à greve são pilares fundamentais da nossa democracia, e eu respeito plenamente os cidadãos catalães que exerceram estes direitos de forma pacífica. Mas os actos de violência organizada e intencional que ocorreram na Catalunha nas últimas semanas são algo de diferente, e de forma alguma representam a tolerância e o espírito acolhedor da região.

O esforço ilegal para concretizar a independência da Catalunha tem seguido um caminho que é demasiado familiar na Europa de hoje. Prossegue por uma rede de mentiras, alimentadas por notícias falsas e mensagens virais, e serve para estimular extremistas de direita e inimigos da integração europeia. É o mesmo caminho escolhido por aqueles que dividem sociedades noutras paragens, explorando a retórica da reacção para encorajar a polarização e o confronto.

Recentemente, líderes deste movimento, como o presidente da principal associação pró-separatista, afirmaram que a violência poderá ser necessária para que a sua causa receba mais atenção. Mas se aprendemos algo com a dolorosa e sangrenta história da Europa, é que nenhuma ambição política pode alguma vez justificar o recurso à violência, para não falar da normalização da violência como ferramenta política.

O meu governo respondeu a este desafio de forma proporcional e controlada. Acredito sinceramente que a nossa força reside na contenção. Reagimos rapidamente para repor a paz e a estabilidade junto dos cidadãos da Catalunha, que na sua maioria rejeitam o actual impasse instável. Também agimos de forma prudente para minimizar os riscos decorrentes de momentos de tensão até ao nível mais reduzido possível. E não devemos esquecer os esforços e a bravura exemplares da polícia catalã, apoiada pela polícia nacional, no sentido da manutenção da ordem num momento em que os líderes da sua região desrespeitaram abertamente a lei.

É um paradoxo absurdo testemunhar um presidente da Generalitat a atribuir pouca importância à violência ao mesmo tempo que denuncia uma força policial, que está a cumprir as suas ordens, por desempenhar o seu dever. É também um erro grave. Apelo-lhe para que condene a violência de modo pleno e explícito, e para iniciar um diálogo com o povo catalão que não quer a independência, e com os partidos que não são pró-separatistas. Ele tem de começar a agir como presidente de todos os catalães, e não apenas dos que partilham as suas opiniões políticas.

Não permitirei que outro surto nacionalista extremo, alimentado por falsas narrativas e pejado de mentiras, comprometa o êxito da democracia espanhola, pela qual os nossos cidadãos e instituições tanto se esforçaram. No debate sobre o futuro da Catalunha, apenas a recuperação e a coexistência do povo e da sociedade catalã estão na agenda, e não a independência. Este é o nosso desafio principal: garantir que todos compreendam e aceitem que um caminho unilateral no sentido da independência constitui uma afronta directa a princípios democráticos fundamentais.

Neste momento, a contenção e a moderação são indispensáveis. Agiremos com toda a firmeza necessária à defesa da coexistência pacífica, mas com a inteligência para reconhecer que temos uma oportunidade para iniciarmos um novo capítulo. Nunca rejeitei o diálogo quando ambas as partes estão dispostas a agir no contexto da Constituição e da lei. Não quero ser um líder faccioso. A minha tarefa consiste em servir todos os espanhóis de igual forma.

Existem áreas de diálogo a explorar se os líderes separatistas abandonarem o seu caminho unilateral. Podemos falar e ouvir-nos sem ameaças ou desprezo. Sei que existem feridas abertas, e que existe dor e frustração. Mas, apesar disso, existe uma oportunidade para esperança, se reconhecermos o que conseguimos alcançar juntos, e se pensarmos no que podemos fazer, em conjunto, para melhorar o bem-estar de todos os nossos cidadãos. Para que isto aconteça, porém, os líderes separatistas têm de voltar ao domínio da Constituição e ao respeito pelo primado do direito.

O meu governo posicionou a Espanha na vanguarda do projecto de integração Europeia, e na linha da frente da luta contra os nossos maiores desafios globais. Estamos empenhados no fortalecimento e na expansão dos direitos e das liberdades, e na luta contra as desigualdades. Estes objectivos transcendem uma visão nacionalista, e precisamos da Catalunha e da sociedade catalã para ajudar a alcançá-los.

https://prosyn.org/s5qyTd8pt;
  1. palacio101_Artur Debat Getty Images_earthspaceshadow Artur Debat/Getty Images

    Europe on a Geopolitical Fault Line

    Ana Palacio

    China has begun to build a parallel international order, centered on itself. If the European Union aids in its construction – even just by positioning itself on the fault line between China and the United States – it risks toppling key pillars of its own edifice and, eventually, collapsing altogether.

    5
  2. rajan59_Drew AngererGetty Images_trumpplanewinterice Drew Angerer/Getty Images

    Is Economic Winter Coming?

    Raghuram G. Rajan

    Now that the old rules governing macroeconomic cycles no longer seem to apply, it remains to be seen what might cause the next recession in the United States. But if recent history is our guide, the biggest threat stems not from the US Federal Reserve or any one sector of the economy, but rather from the White House.

    3
  3. eichengreen134_Ryan PyleCorbis via Getty Images_chinamanbuildinghallway Ryan Pyle/Corbis via Getty Images

    Will China Confront a Revolution of Rising Expectations?

    Barry Eichengreen

    Amid much discussion of the challenges facing the Chinese economy, the line-up of usual suspects typically excludes the most worrying scenario of all: popular unrest. While skeptics would contend that widespread protest against the regime and its policies is unlikely, events elsewhere suggest that China is not immune.

    4
  4. GettyImages-1185850541 Scott Peterson/Getty Images

    Power to the People?

    Aryeh Neier

    From Beirut to Hong Kong to Santiago, governments are eager to bring an end to mass demonstrations. But, in the absence of greater institutional responsiveness to popular grievances and demands, people are unlikely to stay home.

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions