Skip to main content

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions

chichilnisky1_Yuji Sakai Getty Images_plantmoneysustainability Yuji Sakai/Getty Images

Mercados verdes para um crescimento equitativo

NOVA IORQUE – A crise climática e a crise financeira de 2008 são os dois lados da mesma moeda. Ambas nasceram da mesma característica tóxica do modelo económico predominante no mundo: a prática de ignorar o futuro. Proteger a humanidade da ruína ambiental e financeira requer uma estratégia totalmente nova para o crescimento – uma que não sacrifique o futuro no altar do presente.

De certo modo, ambas as crises remontam ao mesmo acontecimento: a criação de uma nova ordem internacional após a Segunda Guerra Mundial. As instituições de Bretton Woods que fundamentaram a ordem – o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional – incentivaram a rápida globalização, caracterizada por um forte aumento nas exportações de recursos do Sul Global para o Norte Global. O renascimento das políticas económicas neoliberais –  incluindo a remoção de barreiras comerciais, a ampla desregulamentação e a eliminação dos controlos da conta de capital – no final da década de 1970, acelerou esse processo.

Embora esse sistema tenha estimulado um crescimento e desenvolvimento económico sem precedentes, teve graves inconvenientes. As inovações financeiras ultrapassaram – ou simplesmente escaparam – a regulamentação, permitindo que o setor financeiro expandisse a sua influência sobre a economia, assumindo enormes quantidades de risco e auferindo de enormes recompensas. Isso conduziu eventualmente à crise de 2008, que levou o sistema financeiro mundial à beira do colapso. Com o sistema a passar por poucas reformas significativas, os riscos sistémicos agudos persistem até hoje.

Na frente ambiental, a extração desenfreada de recursos destruiu os ecossistemas dos países em desenvolvimento, enquanto incentivava o rápido aumento do consumo - mais fundamentalmente, de energia - no mundo desenvolvido. Hoje, apesar de representar apenas cerca de 18% da população mundial, as economias avançadas consomem cerca de 70% da energia do mundo, a grande maioria (87%) vem de combustíveis fósseis.

A divisão Norte-Sul está, portanto, inextricavelmente ligada às emissões de dióxido de carbono. E, de facto, ela destacou-se em todas as negociações climáticas das Nações Unidas, com os países que mais contribuíram para as alterações climáticas – começando pelos Estados Unidos – muitas vezes a impedirem uma ação eficaz.

A resistência geralmente resume-se a um único interesse: a prosperidade económica atual. Assim, a única solução realista para a crise climática é substituir a energia baseada em combustíveis fósseis por energias renováveis, de forma rápida e económica o suficiente para manter os motores do crescimento em funcionamento. Felizmente, já sabemos que isso é possível. A chave é um mercado global de carbono.

Subscribe now
ps subscription image no tote bag no discount

Subscribe now

Subscribe today and get unlimited access to OnPoint, the Big Picture, the PS archive of more than 14,000 commentaries, and our annual magazine, for less than $2 a week.

SUBSCRIBE

O Protocolo de Quioto de 1997 tentou usar um sistema de quotas negociáveis para estabelecer um preço nas emissões de CO2. Embora vários países tenham recusado aderir ao protocolo - os EUA assinaram, mas não o ratificaram - o mercado de carbono que ele criou (projetado por um de nós, Chichilnisky) ajudou a tornar a energia limpa mais lucrativa e a energia poluente menos lucrativa.

Embora o Protocolo de Quioto tenha desmoronado, o mundo baseou-se nesse trabalho e algumas das suas maiores economias – China, União Europeia e vários estados dos EUA, incluindo a Califórnia – estão agora a usar sistemas de comércio de emissões. O valor dos mercados globais negociados para licenças de CO2 subiu 250% no ano passado e agora ultrapassa os 178 mil milhões de dólares anualmente.

Um mercado global de carbono recuperado ajudaria a cortar o nó górdio do crescimento económico e da degradação ambiental. Além disso, os custos para a criação e para o funcionamento seriam praticamente zero. Um esquema que ofereça eficiência com base no mercado atrairia as economias desenvolvidas, ao passo que os países em desenvolvimento iriam apoiá-lo porque os limites de emissão obrigatórios aplicar-se-iam apenas às economias de alto e médio rendimento, como foi o caso do Protocolo de Quioto.

O potencial de um mercado mundial de carbono continua a crescer. No ano passado, as Academias Nacionais de Ciência, Engenharia e Medicina dos EUA e o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas relataram que as “tecnologias de emissões negativas” que removem e sequestram CO2 do ar podem ser dimensionadas com segurança para capturar e armazenar uma parcela significativa do total de emissões. Este processo seria tão eficiente que o  CO2 capturado poderia ser vendido com lucro no mercado de carbono.

É claro que as emissões de CO2 estão longe de serem o único contribuinte para a crise climática. Mas outros tipos de mercados verdes também podem ser criados. Mesmo antes do Protocolo de Quioto, a Junta Comercial de Chicago lançou um mercado privado pelos direitos de emissão de dióxido de enxofre. A ONU está agora a considerar o uso de mercados semelhantes para proteger a biodiversidade e as bacias hidrográficas.

Ao permitir que os atores comprem e vendam direitos de uso dos bens comuns mundiais, esses mercados verdes combinam naturalmente a eficiência com a equidade. E, no entanto, a duradoura divisão Norte-Sul – e principalmente o fosso entre os EUA e a China – está a prejudicar a nossa capacidade de aproveitar o seu potencial. Temos as ferramentas para travar e até reverter as alterações climáticas. É hora de nos juntarmos e usá-las.

https://prosyn.org/8kJ7V2ipt;
  1. op_dervis1_Mikhail SvetlovGetty Images_PutinXiJinpingshakehands Mikhail Svetlov/Getty Images

    Cronies Everywhere

    Kemal Derviş

    Three recent books demonstrate that there are as many differences between crony-capitalist systems as there are similarities. And while deep-seated corruption is usually associated with autocracies like modern-day Russia, democracies have no reason to assume that they are immune.

    7