Pode a ciência salvar a Europa?

VIENA- O atual aperto financeiro da Europa desafia soluções fáceis. A austeridade auto-infligida encontrou agitação popular para medidas mais tangíveis, a fim de reanimar o crescimento económico e criar empregos. Os manifestantes expressam vividamente uma frustração generalizada, com uma desigualdade que se aprofunda, e a condenação dos privilégios de uma elite financeira global chega desconfortavelmente a pôr em causa o governo.

Em épocas anteriores, tal situação teria sido descrita como pré-revolucionária. No mundo de hoje, as consequências podem parecer mais benignas, mas não são menos preocupantes: a perda da solidariedade, o retorno à insularidade nacionalista e uma maior margem para o extremismo político.

A imagem da Europa tem sofrido em conformidade, especialmente na perspectiva das economias em expansão da Ásia. Enquanto a China, a Índia e outros, têm desfrutado do continuado crescimento económico, do investimento na investigação e da capacidade de inovação, a Europa é percebida como estando à beira da decadência, tanto económica como politica. Pior ainda, a Europa também parece determinada em ignorar os seus constantes pontos fortes.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/3B1qMqr/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.