Dean Rohrer

A Ascensão do Hamas

CIDADE DE GAZA – O Hamas, movimento político militante que governou Gaza desde 2007, viu o seu estatuto regional significativamente reforçado depois do último conflito com Israel. Simultaneamente, o movimento depara-se com novas questões sobre a sua capacidade para tirar partido das oportunidades diplomáticas que obteve.

A resposta enérgica do Hamas à operação militar de Israel em Gaza, em Novembro, que envolveu o lançamento de rockets próximo de Telavive e de Jerusalém, demonstrou o seu empenho no valor que considera fundamental, a firmeza. Além disso, na sequência dos oito dias de conflitos, o líder do Hamas, Khaled Meshaal, que há muito se encontrava no exílio e que nunca antes se atrevera a mostrar-se abertamente em Israel, entrou em Gaza pelo Egipto. Percorrendo triunfantemente as ruas, reforçou a ideia - a nível interno e externo - de que o Hamas tinha vencido.

Além de Gaza, a ascensão do islamismo político nos países da Primavera Árabe, particularmente no Egipto e na Tunísia, facilitou uma vizinhança mais amigável relativamente ao Hamas. Fundamentalmente, as negociações no Cairo, das quais resultou o cessar-fogo com Israel implicaram o estabelecimento de contactos diplomáticos directos a alto nível entre o Egipto e o Hamas - facto que constitui uma alteração fundamental face à posição do antigo Presidente egípcio, Hosni Mubarak, que era manifestamente anti-Hamas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/GnUojF5/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.