Skip to main content

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions

parshotam1_MOHAMED-ABDIWAHABAFPGetty-Images_africa-refugees MOHAMED ABDIWAHAB/AFP/Getty Images

Ajudar a África a ajudar os refugiados

JOANESBURGO – O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) registou um total de 68,5 milhões de pessoas deslocadas à força em todo o mundo em 2017, o número mais elevado em décadas. Este número incluiu 25,4 milhões de refugiados, ou 2,9 milhões a mais do que em 2016, representando o maior aumento anual já registado.

Ao contrário das perceções populares no Norte Global, 85% destes refugiados estão em países em desenvolvimento e quatro em cada cinco permanecem em estados próximos dos seus, de acordo com o ACNUR. Isto levou a medidas internacionais para promover uma partilha mais equitativa da responsabilidade para com os refugiados e para fornecer recursos financeiros, e outros, aos países em desenvolvimento que os acolhem.

A afirmação da Assembleia Geral da ONU no passado mês de dezembro de um Pacto Global sobre Refugiados, com a sua tão necessária necessidade de responsabilidade partilhada pelo acolhimento de refugiados, marcou um passo na direção certa. Mas o pacto não é juridicamente vinculativo e não tem mecanismo de aplicação. Isto levanta questões sobre se isso pode influenciar os governos nacionais e ter algum impacto em lidar com a crescente crise global de refugiados, especialmente dada a crescente hostilidade mundial em aceitar refugiados.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/9cITkj7pt;
  1. roubini137_Mikhail SvetlovGetty Images_xi putin Mikhail Svetlov/Getty Images

    The White Swans of 2020

    Nouriel Roubini

    Financial markets remain blissfully in denial of the many predictable global crises that could come to a head this year, particularly in the months before the US presidential election. In addition to the increasingly obvious risks associated with climate change, at least four countries want to destabilize the US from within.

    0
  2. tharoor137_ Hafiz AhmedAnadolu Agency via Getty Images_india protest Hafiz Ahmed/Anadolu Agency via Getty Images

    Pariah India

    Shashi Tharoor

    For three decades, India's self-branding as the world’s fastest-growing free-market democracy worked, with world leaders queuing up to visit New Delhi and burdening a generation of diplomatic protocol officers. But in a matter of months, it has all begun to fall apart.

    1