Resiliência Paquistanesa?

ISLAMABAD – O Paquistão tem registado, desde meados de Dezembro, uma volatilidade a nível político e económico que é extraordinária, mesmo para os padrões paquistaneses. A frágil estrutura política, que começou a ser erguida após o restabelecimento do governo civil em 2008, está agora a ser abalada.

A principal fonte desta agitação é Tahirul Qadri, um clérigo muçulmano que vivia em Toronto e que regressou a Lahore no início de Dezembro. Dez dias após a sua chegada, fez um discurso perante dezenas de milhares de pessoas, reunidas junto ao monumento Minar-e-Pakistan, onde, no ano anterior, Imran Khan, o jogador de críquete que se tornou político, lançara aquilo a que denominou, não muito apropriadamente, um tsunami político.

Qadri impôs ao Governo em Islamabad um ultimato de 20 dias para expurgar o sistema político da corrupção desenfreada, reconstituir a Comissão Eleitoral e nomear uma administração provisória para supervisionar as próximas eleições. O governo provisório, afirmou, deveria ser formado por tecnocratas, oficiais militares reformados e juízes, que poderiam manter os cargos por um período superior aos 90 dias permitidos pela constituição. Se o governo não tomasse aquelas medidas, Qadri iniciaria uma marcha de um milhão de homens sobre a capital.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/nREd2ZQ/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.