O recuo da Grã-Bretanha na liberdade de expressão

NOVA IORQUE – A experiência terrível de David Miranda - o companheiro do colunista do The Guardian, Glenn Greenwald, detido no aeroporto de Heathrow, em Londres, interrogado durante nove horas e obrigado a entregar os seus dispositivos electrónicos (alguns dos quais continham supostamente documentos com fuga de informação fornecidos a Greenwald pelo ex-analista informático dos EUA, Edward Snowden) - é uma demonstração impressionante da mudança de ambiente que se vive em torno da imprensa. Então é uma realidade que as autoridades estatais ameaçaram o editor do TheGuardian, Alan Rusbridger, com acusações criminais e obrigaram os funcionários do TheGuardian a destruírem equipamentos informáticos nos escritórios do jornal. Mas o que é mais chocante é que tudo isso aconteceu no Reino Unido.

Na qualidade de chefe do governo que levou a cabo estes actos, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, traiu o legado cultural mais nobre do seu país. Na verdade, a Grã-Bretanha praticamente inventou e forneceu ao resto do mundo a noção de liberdade de expressão.

Já no século XVII, sempre que os monarcas ou os parlamentares tentavam controlar a imprensa da Grã-Bretanha, os panfletários e os polemistas britânicos ripostavam - e ganhavam muitas vezes. Perante o fervor revolucionário anti-monárquico, o Parlamento - e Cameron deveria recordar-se disso - aprovou o Regulamento de 1643, que impôs a censura antes da publicação das notícias na imprensa britânica. Os livreiros protestaram e no ano seguinte John Milton publicou a obra “Areopagítica”, uma declaração básica da nossa filosofia moderna do direito à liberdade de expressão. Regressando aos princípios britânicos mais importantes, a Câmara dos Comuns revogou a legislação que suprimia a liberdade de imprensa, em 1776.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/Ls852VU/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.