O Brexit e o Futuro da Europa

NOVA IORQUE – A Grã-Bretanha, na minha opinião, tinha o melhor dos acordos possíveis com a União Europeia, fazendo parte do mercado comum sem pertencer ao euro, e tendo assegurado uma série de outras exclusões às regras da UE. E, mesmo assim, isso não foi suficiente para impedir a decisão do eleitorado do Reino Unido de sair da união. Porquê?

Podemos encontrar a resposta nas sondagens de opinião dos meses que levaram ao referendo do “Brexit”. A crise migratória Europeia e o debate do Brexit alimentaram-se mutuamente. A campanha do “Sair” explorou a deterioração da situação dos refugiados (simbolizada por imagens assustadoras de milhares de requerentes de asilo concentrados em Calais, desesperados por entrar na Grã-Bretanha, por todos os meios necessários) para instigar o medo de imigração “descontrolada” proveniente de outros estados-membros da UE. E as autoridades Europeias atrasaram decisões importantes sobre a política a aplicar aos refugiados, para evitar um efeito negativo sobre o voto no referendo Britânico, perpetuando assim cenas de caos como a de Calais.

A decisão da Chanceler Alemã Angela Merkel de abrir as portas do seu país aos refugiados foi um gesto inspirador, mas não foi devidamente pensado, porque ignorou o factor de atracção. Um influxo súbito de requerentes de asilo perturbou as vidas quotidianas de pessoas em toda a UE.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/QYkaL2C/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.