O limbo institucional brasileiro

SÃO PAULO – Investidores internacionais estão acompanhando de perto enquanto os brasileiros se preparam para votar no segundo turno das eleições, em 26 de outubro. Seus votos irão não somente decidir quem será o próximo presidente, mas também determinar o futuro do Banco Central do Brasil (BCB) e, consequentemente, a trajetória macroeconômica do país.

Enquanto a presidente Dilma Rousseff sustenta o atual desenho institucional do BCB, seus adversários argumentam que a política monetária é submetida à influência política, que seria melhor gerida dando ao Banco Central maior autonomia. Mas nenhum candidato ainda avançou uma proposta de reforma que reduza a possibilidade de interferência política e, ao mesmo tempo, assegure maior prestação de contas e responsabilização, bem como promoção da estabilidade financeira. Se o Brasil quiser crescer economicamente de maneira forte e estável, o Banco Central precisa de uma reforma.

A gestão monetária tem, há muito tempo, papel destacado na política brasileira. Durante o processo de redemocratização dos anos 1980 e 1990, sucessivos governos tentaram dominar a hiperinflação, que chegou a 2.477% em 1993. A introdução do Plano Real, lançado em 1994, conseguiu administrar o crescimento anual dos preços para um “aceitável” 22% no ano seguinte. Sustentado pelo sucesso do plano, seu arquiteto, Fernando Henrique Cardoso, Ministro da Fazenda na época, foi duas vezes eleito presidente (em 1994 e 1998), enfatizando a preocupação do eleitor brasileiro em torno da estabilidade de preços.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/4OZzxZK/pt;