Rousseff brazil Evaristo Sa/Stringer/Getty Images

A tarefa à frente para o Brasil

SÃO PAULO – O Brasil está enfrentando uma tríplice crise: uma grave recessão econômica, um escândalo de corrupção que envolve os altos escalões da economia e do governo, e uma crise política que pode culminar no impeachment da presidente Dilma Rousseff. Independentemente de Dilma ser destituída ou não do poder, a questão fundamental trazida pela ameaça do processo de impeachment – a gestão da política fiscal - enfatiza a necessidade de se reformar as instituições econômicas do Brasil.

No centro das alegações para o impeachment de Dilma está a acusação de que ela teria violado a Lei de Responsabilidade Fiscal. Em 2014, competindo por uma reeleição, Dilma intensificou a prática de saques a descoberto em bancos comerciais públicos, a fim de assegurar o pagamento de programas sociais. Substancialmente, ela teria “emprestado” R$ 55,6 bilhões para sustentar que seu governo cumprisse a meta do superávit primário enquanto realizava transferências sociais - e, assim, contribuir com sua vitória eleitoral.

Em 2015, entretanto, o Tribunal de Contas da União (TCU) reprovou suas contas e acusou Dilma de cometer irregularidades fiscais. Após a decisão do TCU, ela decidiu “liquidar” esses “empréstimos” em dezembro de 2015.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/Cy4sLTH/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.