pagliarini1_ MICHAEL DANTASAFP via Getty Images_lula MICHAEL DANTAS/AFP via Getty Images

O bolsonarismo após Bolsonaro

FARMVILLE (VIRGÍNIA) – Em 20 de setembro, Jair Bolsonaro, presidente de extrema-direita do Brasil, fez o que provavelmente será seu último discurso à Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York. Desde 1955, o Brasil sempre fez a fala de abertura na reunião anual da ONU, simplesmente porque, como o chefe do protocolo da ONU, Desmond Parker, contou à National Public Radio americana em 2010, “muito tempo atrás, quando ninguém queria falar primeiro, o Brasil sempre… se ofereceu”.

Claro, este costume às vezes pode ser difícil de se justificar. Afinal, ninguém realmente quer ouvir Bolsonaro, hoje praticamente sem amigos no cenário mundial, e evitado após seu tratamento calamitoso da covid-19 e consistentes ataques a procedimentos democráticos, além do sexismo, racismo, e homofobia constantes. Pior, Bolsonaro usou descaradamente o pódio da ONU este ano para fazer campanha por sua reeleição.

Com o objetivo de animar sua base política em casa antes do primeiro turno da eleição presidencial de 2 de outubro, Bolsonaro se gabou de seus esforços para desfazer o legado dos governos de esquerda que o precederam. Ao mesmo tempo, disse o que achava que os diplomatas e dignitários estrangeiros reunidos queriam ouvir, falando em “desenvolvimento sustentável”, “direitos humanos” e outros conceitos que nunca figuraram em lugar algum na pauta de seu governo.

To continue reading, register now.

Subscribe now for unlimited access to everything PS has to offer.

Subscribe

As a registered user, you can enjoy more PS content every month – for free.

Register

https://prosyn.org/quiSVIWpt