A caixa de entrada de Pandora

NOVA DELI – Meio século antes da invenção do correio electrónico, T. S. Eliot perguntou: “Onde é que está a sabedoria que perdemos em conhecimento? Onde é que está o conhecimento que perdemos em informação?” Se ele hoje fosse vivo, ao contemplar uma caixa de entrada de correio electrónico num computador cintilante, poderia muito bem acrescentar, “Onde é que está a informação que se perdeu em trivialidades?”

Um dos paradoxos do nosso tempo é que as invenções destinadas a facilitarem-nos a vida, acabam fatalmente por nos atrasar. Quando o correio electrónico entrou pela primeira vez na minha vida, fiquei radiante, em vez de cartas a acumularem-se durante meses, ao mesmo tempo que tentava arduamente arranjar o tempo necessário para escrever as respostas, de faxes que não chegavam ao destino, de telegramas que custavam “os olhos da cara”, eu tinha agora um meio de comunicação gratuito, instantâneo e eficiente. Tornei-me num ávido e diligente “e-remetente”.

E como eu me arrependo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/TTCBLQn/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.