Carsten ten Brink/Flickr

O porquê da importância de Jeffrey Sachs

SEATTLE – Bono chama ao economista Jeffrey Sachs “the squeaky wheel that roars” [aquele que incomoda bastante, levanta a voz e repete o mesmo assunto até ser ouvido e conseguir o que pretende]. Para mim, Sachs é o Bono da economia - um homem com uma inteligência, paixão e poder de persuasão impressionantes que consagra os seus talentos a defender as pessoas mais pobres do planeta. Deste modo, não fiquei surpreendido com o facto de uma jornalista achar que Sachs seria uma boa personagem central e emocionante para um livro - e uma boa maneira de atrair leitores para o assunto potencialmente sarcástico do desenvolvimento internacional.

No livro O Idealista a editora da Vanity Fair, Nina Munk, desenha um retrato matizado de Sachs e do seu Projecto Aldeias do Milénio (MVP) - um projecto de demonstração de 120 milhões de dólares que pretende mostrar ao mundo que é possível tirar aldeias africanas da pobreza através de uma infusão maciça de assistência específica. Teria sido fácil, e talvez mais comercial, se Munk desenhasse uma caricatura, acentuando excessivamente as qualidades negativas de Sachs, em detrimento dos seus grandes talentos. Mas ela não o fez.

Munk passou seis anos a pesquisar para o livro, ficando a conhecer bem o economista Sachs e vivendo durante longos períodos em duas das 15 Aldeias do Milénio. Ela aprecia claramente a importância e a dificuldade daquilo que Sachs e a sua equipa estão a tentar fazer.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/VHTSPRm/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.