haass127_Andrew Harnik - PoolGetty Images_russiaUScyberattack Andrew Harnik/Pool/Getty Images

Dominando o Novo Velho Oeste

NOVA YORK – Durante a Guerra Fria, reuniões de cúpula entre os Estados Unidos e a União Soviética em geral eram dominadas por acordos para definir limites em armas nucleares e nos sistemas construídos para distribuí-las. Os EUA e a Rússia ainda discutem estes temas, mas em seu recente encontro em Genebra, os presidentes americano, Joe Biden, e russo, Vladimir Putin, focaram na maior parte do tempo em como regulamentar comportamentos em outro domínio: o ciberespaço. Os riscos são igualmente grandes.

Não é difícil ver o porquê. O ciberespaço e a internet são centrais ao funcionamento das economias, sociedades, sistemas políticos e militares modernos, e praticamente tudo o mais, o que torna a infraestrutura digital um alvo tentador para aqueles que buscam causar problemas e danos extraordinários a um custo mínimo.

Além disso, atores de estado e de fora dele podem realizar ciberataques com um alto grau de negabilidade, o que só vem a somar à tentação de desenvolver e usar essas habilidades. Nós sabemos quando e de onde um míssil é lançado, mas pode levar bastante tempo para descobrir que um ciberataque aconteceu, e ainda mais tempo para identificar o responsável. Tais processos lentos e incertos de atribuição podem mandar para longe a ameaça de retaliação, que está no coração da dissuasão.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/O3rMXnupt