A Contradição Somali do Quénia

NAIROBI – O ataque que matou mais de 70 pessoas no centro comercial Westgate em Nairobi na semana passada foi, de acordo com o al-Shabaab, o grupo militante Islâmico Somali que o perpetrou, uma retribuição pela intervenção do Quénia na Somália. Isso levanta uma dúvida simples: O que está o Quénia a fazer na Somália, e será que vale a pena?

Desde que o exército do Quénia invadiu há dois anos o seu vizinho do nordeste, o governo tem dito aos Quenianos que iriam para a guerra contra o al-Shabaab. Mas, tal como a maior parte das posições oficiais no Quénia, essa história era apenas parcialmente verdadeira.

Na noite de 15 de Outubro de 2011, eu estava deitado e a ouvir os comboios militares Quenianos que passavam pela cidade fronteiriça de Dadaab na direcção da Somália, para lançar a primeira campanha militar no exterior na história do Quénia. A causa imediata para tal fora o rapto de dois assistentes humanitários Espanhóis dos vastos campos de refugiados que rodeiam Dadaab. Para as autoridades Quenianas, essa foi a última gota depois de uma série de raptos de Ocidentais pelo al-Shabaab; para acabar com as incursões, lançaram o que os líderes militares acreditavam ser uma campanha rápida.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/nq80zKN/pt;