O plano infrutífero e problemático do BCE

BERKELEY – Estará a crise económica da Europa em mutação, uma vez mais? Se os receios da dívida estão agora a ser substituídos pelo perigo da deflação, como os dados recentes sugerem, o Banco Central Europeu deixou de estar apto para ela - e não há nada que sugira que esteja à altura da tarefa.

Os números são alarmantes. A inflação subjacente (o índice de preços ao consumidor após a exclusão dos preços instáveis da alimentação e da energia) na zona euro caiu para uma taxa anual de 0,8%, em Outubro, - o valor mais baixo em 47 meses -, enquanto os preços ao produtor caíram 0,5%, sugerindo que a deflação já está na forja económica da Europa. O crescimento anual da massa monetária M3, por sua vez, caiu para 1,4% em Outubro, seguindo os já sombrios 2% de Setembro, enquanto os empréstimos para o sector privado registaram uma contracção homóloga de 2,9%. Tudo isto torna notável o facto de que o melhor que o BCE poderia fazer na reunião de Dezembro era recusar-se a alterar os planos.

Então, o que é que um bom banco central deveria estar a fazer? Para começar, devia concentrar-se em manter as condições monetárias apropriadas e deixar de negociar a condicionalidade política com os governos. O mandato fundamental de um banco central é manter a inflação nos níveis adequados e não negociar reformas estruturais com países como a Grécia, uma tarefa que fica melhor nas mãos da Comissão Europeia e do Fundo Monetário Internacional.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/iW8albs/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.