Jeremy Stein Jeremy Stein/IMF Photo/Stephen Jaffe

As escoras da última esperança

OSLO – com o regresso de Jeremy Stein ao seu posto académico em Harvard no final de Maio, o Conselho da Reserva Federal dos EUA perdeu o seu principal proponente da perspectiva de que a política monetária devia ser usada para se propender contra excessos financeiros.

A perspectiva de Stein, expressa num discurso no início desta Primavera, é a de que os bancos centrais deviam ser menos agressivos na sua busca pelo pleno emprego num ambiente de risco financeiro crescente. A sua posição é uma refutação da doutrina do antigo presidente da Fed, Alan Greenspan, de que o banco central não devia ajustar a política em resposta aos excessos do sector financeiro, mas sim, em vez disso, concentrar-se em reagir a quaisquer problemas que surjam posteriormente.

A questão é se a nova perspectiva de Stein se justifica. Em princípio, a resposta é simples. Se um banco central tiver duas metas políticas, então irá precisar de dois instrumentos: a política monetária para influenciar a procura agregada e a política reguladora para limitar os riscos financeiros.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/nu5jlGm/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.