Reestruturar a reestruturação da dívida

BERKELEY – Por vezes as piores intenções produzem os melhores resultados. Foi isso que aconteceu, de forma inesperada, com a dívida da Argentina.

A história começa com a crise financeira argentina de 2001-2002. Não há dúvida de que a crise deixou o país incapaz de assegurar o serviço das suas dívidas. Porém, a Argentina não conquistou simpatias pelo facto de ter esperado quatro anos para negociar com os seus credores, oferecendo então condições de liquidação que, de acordo com os critérios das anteriores reestruturações da dívida, se poderiam considerar usurárias.

Ainda assim, os termos foram considerados aceitáveis aos olhos da grande maioria dos credores do país, que trocaram os respectivos créditos anteriores por novos, a 30 cêntimos por dólar. Alguns credores, no entanto, mostraram-se inflexíveis, adquirindo as obrigações remanescentes a baixo preço para, em seguida, recorrerem ao tribunal, nomeadamente ao Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Sul de Nova Iorque, a fim de reivindicar o pagamento na íntegra.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/bJH6MoE/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.