Ásia à deriva

NOVA DELI – O ano de 2012 começou com as reivindicações supurantes da soberania chinesa no Mar da China Meridional e no Mar da China Oriental, mas também com a esperança de que um código de conduta mediado pela Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) permitiria que fossem resolvidas pacificamente. No entanto, o ano está a terminar com essa esperança desfeita e com a ASEAN mais dividida do que nunca. De facto, uma meia dúzia dos seus membros parece agora ansiosa em subordinar os seus interesses nacionais - e os interesses da ASEAN - aos da China.

A assertividade crescente da China em delimitar as suas reivindicações contribuiu para a vitória esmagadora dos liberais-democratas propensos à defesa nacional no Japão e para a eleição da conservadora Park Geun-hye, como sendo a primeira mulher a governar a Coreia do Sul. As crescentes tensões regionais também serviram de cenário para a viagem do presidente dos EUA, Barack Obama, ao sudeste asiático logo após a sua reeleição.

Obama deu a conhecer o “pivô” estratégico dos Estados Unidos para a região Ásia-Pacífico, em Janeiro de 2012, e um turbilhão de actividades - da Austrália à Indonésia e à Índia - que marcou a diplomacia de segurança norte-americana ao longo do ano. Também no Japão, as preocupações em relação à determinação da China tornaram-se tão intensas que o governo que mostrou uma hostilidade considerável pela aliança entre os EUA e o Japão, quando subiu ao poder há três anos, em Novembro, começou a anunciar aos quatro ventos os compromissos de defesa mútua quando confrontou a reivindicação da China pelas ilhas Senkaku (Diaoyu).

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/fFGBWuR/pt;