O Caminho para a União Asiática

NOVA DELI – A inexistência de instituições na Ásia para amenizar as tensões regionais é muitas vezes lamentada. Mas é possível que uma maior união asiática esteja a nascer por meios indirectos, sob a forma de novas e surpreendentes infra-estruturas de ligação.

Os esforços actuais no sentido de expandir os projectos de infra-estruturas regionais são ainda mais extraordinários por unirem até mesmo países em situação de conflito diplomático e, por vezes, em conflito aberto. Os novos itinerários de autocarro que fazem a ligação entre a Índia e o Paquistão podem não sair na primeira página dos jornais, mas proporcionam um grau de normalidade às relações crivadas de desconfiança. Em outros locais, as ligações ferroviárias entre a China e o Vietname, a construção de estradas que ligam a Índia ao Bangladesh, e os novos portos e oleodutos em Mianmar e no Paquistão estão a criar uma nova forma de união económica juntamente com as cadeias de fornecimento de produção da região.

Essas iniciativas pontilham actualmente a geografia da Ásia, mesmo num período em que as tensões existentes relativamente à delimitação de fronteiras e as reivindicações de soberania alimentam situações de agitação. Considere-se, por exemplo, o caso do Afeganistão, que enfrenta mais uma fase de deslocações internas. Ali, no entanto, a Índia continua a construir um anel rodoviário estratégico em todo o país, bem como uma barragem de vital importância em Salma. E a construção de um gasoduto do Turquemenistão até ao Paquistão, que atravessaria o país, está mais perto de tornar-se realidade.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/vVgBbWY/pt;