Argentina, a Excluída

BRASÍLIA - Há mais de vinte anos, um importante ministro argentino ensinou a um surpreso embaixador brasileiro recém-chegado a Buenos Aires que a “Argentina é pródiga em três coisas: carne, trigo e gestos tresloucados“. A decisão de expropriar 51% da YPF, a maior companhia do sector energético Argentino, à empresa Espanhola Repsol é um desses gestos. Somada ao seu desprezo pelos credores externos, e ao proteccionismo crescente e arbitrário que viola todas as regras globais e regionais, a decisão da Presidente Cristina Fernández de Kirchner coloca a Argentina mais perto de ser considerada internacionalmente como um país sem lei.

Independentemente dos benefícios e da popularidade no curto prazo, gestos desta gravidade têm sempre consequências sérias no longo prazo. Em particular, arriscam separar um país dos principais fluxos de crédito, investimentos e comércio – ou seja, de todas as actividades que geram prosperidade e oportunidades económicas.

Os maus governos são sempre guiados pela sua ânsia de aumento imediata da popularidade, sem olhar a custos futuros. Os governos da Argentina fizeram disto um hábito desde que Juan Perón subiu ao poder pela primeira vez em 1946.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/OtGU8rP/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.