A Ciência Social da Medicina

DAVOS – Quando fui estudante de medicina, em meados da década de 1980, contraí malária na Papua Nova Guiné. Foi uma experiência horrível. Doeu-me a cabeça. A minha febre disparou. Fiquei anémico. Mas tomei o meu remédio, e melhorei. A experiência não foi agradável, mas graças a medicamentos baratos e eficazes contra a malária nunca estive em grande perigo.

Os comprimidos que me curaram, de cloroquina, já não são eficazes. Mesmo quando os tomei, o parasita que causa a malária já se tinha tornado resistente à cloroquina em muitos pontos do mundo; a Papua Nova Guiné foi um dos últimos lugares onde os comprimidos continuaram a ser eficazes, e mesmo aí já estavam a perder a sua potência. Hoje, a cloroquina basicamente desapareceu do nosso arsenal médico.

A capacidade crescente dos agentes patogénicos em resistir a antibióticos e a outros medicamentos antimicrobianos está a tornar-se na maior crise emergente para os cuidados de saúde contemporâneos – e é uma crise que não pode ser solucionada apenas pela ciência.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/qWzXx4w/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.