A Ciência Social da Medicina

DAVOS – Quando fui estudante de medicina, em meados da década de 1980, contraí malária na Papua Nova Guiné. Foi uma experiência horrível. Doeu-me a cabeça. A minha febre disparou. Fiquei anémico. Mas tomei o meu remédio, e melhorei. A experiência não foi agradável, mas graças a medicamentos baratos e eficazes contra a malária nunca estive em grande perigo.

Os comprimidos que me curaram, de cloroquina, já não são eficazes. Mesmo quando os tomei, o parasita que causa a malária já se tinha tornado resistente à cloroquina em muitos pontos do mundo; a Papua Nova Guiné foi um dos últimos lugares onde os comprimidos continuaram a ser eficazes, e mesmo aí já estavam a perder a sua potência. Hoje, a cloroquina basicamente desapareceu do nosso arsenal médico.

A capacidade crescente dos agentes patogénicos em resistir a antibióticos e a outros medicamentos antimicrobianos está a tornar-se na maior crise emergente para os cuidados de saúde contemporâneos – e é uma crise que não pode ser solucionada apenas pela ciência.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/qWzXx4wpt;