A Desigualdade e a Criança Americana

NOVA IORQUE – As crianças, reconhece-se há muito, formam um grupo especial. Não escolhem os seus pais, e muito menos as condições genéricas em que nascem. Não possuem as mesmas capacidades que os adultos para se protegerem ou cuidarem de si. Foi por isso que a Liga das Nações aprovou a Declaração de Genebra sobre os Direitos da Criança em 1924, e que a comunidade internacional adoptou a Convenção sobre os Direitos da Criança em 1989.

Infelizmente, os Estados Unidos não têm estado à altura das suas obrigações. Com efeito, nem sequer ainda ratificaram a Convenção sobre os Direitos da Criança. Os EUA, com a sua celebrada imagem de terra das oportunidades, deveriam ser um exemplo inspirador de tratamento justo e esclarecido das crianças. Em vez disso, são um farol do falhanço – que contribui para o entorpecimento global da arena internacional sobre os direitos da criança.

Embora uma infância Americana média possa não ser a pior do mundo, a disparidade entre a riqueza do país e a condição das suas crianças não tem paralelo. Cerca de 14,5% de toda a população Americana é pobre, mas 19,9% das crianças – perto de 15 milhões de indivíduos – vivem na pobreza. Entre os países desenvolvidos, só a Roménia tem uma taxa mais elevada de pobreza infantil. A taxa dos EUA é dois terços maior do que a do Reino Unido, e quase o quádruplo da taxa nos países Nórdicos. Para alguns grupos, a situação é muito pior: mais de 38% das crianças negras, e 30 % das crianças Hispânicas, são pobres.  

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/HqRCmcL/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.