Skip to main content

jaishankar1_keithbinns_Getty images_map afghanistan keithbinns/Getty Images

O próximo capítulo do Afeganistão

NOVA DELI – A história geopolítica recente do Afeganistão pode dividir-se em cinco fases. Mas encontra-se agora à beira de mais uma transição, e as características da nova fase ainda precisam de ser avaliadas.

Durante a primeira fase, de 1974 a 1979, o Paquistão começou a acolher e a treinar Islamitas para mobilização contra o governo de Mohammed Daoud Khan. Depois, entre 1979 e 1989, o Paquistão, os Estados Unidos e a Arábia Saudita financiaram, treinaram e armaram os mujahideen que lutaram contra as tropas soviéticas. Entre 1989 e 1996, o Afeganistão passou por uma transição, enquanto os senhores da guerra regionais ganharam poder, se aproximaram de Cabul, e depuseram o presidente Mohammad Najibullah. Entre 1996 e 2001, o governo Talibã conduziu a um período de selvajaria gratuita e – com as excepções do Paquistão, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos – de isolamento diplomático.

A quinta fase iniciou-se em 2001, no seguimento dos ataques do 11 de Setembro. Desde então, os EUA envolveram-se numa guerra de apoio a um governo afegão fragmentado contra os ressurgentes Talibã, apoiados pelo Paquistão. A sexta fase suscita duas perguntas: os EUA perderam a guerra no Afeganistão? E, em caso afirmativo, porquê?

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/fEwr5wc/pt;
  1. bildt69_DELIL SOULEIMANAFP via Getty Images_syriansoldiermissilegun Delil Souleiman/AFP/Getty Images

    Time to Bite the Bullet in Syria

    Carl Bildt

    US President Donald Trump's impulsive decision to pull American troops out of northern Syria and allow Turkey to launch a military campaign against the Kurds there has proved utterly disastrous. But a crisis was already inevitable, given the realities on the ground and the absence of a coherent US or Western policy in Syria.

    2

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions