Pedro Molina

O Ano Iraniano de Obama

PRINCETON – Agora que inicia o seu segundo mandato presidencial, Barack Obama terá de dedicar grande parte da sua atenção a encontrar uma forma de organizar as finanças internas do país. Mas as questões de política externa são igualmente motivo de grande preocupação e, não obstante o conflito que está em curso na Síria e a possibilidade da guerra poder alastrar à região africana do Sahel, a perspectiva consensual em Washington é que 2013 será o "ano decisivo" relativamente ao Irão.

A primeira administração de Obama teve início com uma proposta de diálogo com a República Islâmica. No seu primeiro discurso inaugural, em 2009, Obama afirmou, numa frase que ficaria memorável: "estender-vos-emos a mão se estiverdes dispostos a abrir os vossos punhos cerrados." Repetiu o compromisso, embora de forma muito mais oblíqua, no seu segundo discurso inaugural: "daremos provas de coragem na resolução pacífica das nossas divergências com as outras nações - não porque somos ingénuos perante os perigos com que somos confrontados, mas porque o diálogo permite acabar de forma mais duradoura com a desconfiança e o medo ".

Como observou recentemente  o académico e activista americano, Hussein Ibish, Obama nomeou um gabinete com o objectivo de obter maior margem de manobra para negociar um acordo com o Irão. Em especial, o facto de nomear veteranos de guerra para os cargos de Secretário de Estado e de Secretário da Defesa conferir-lhe-á uma valiosa cobertura política interna para um acordo que exigirá inevitavelmente o levantamento das sanções ao Irão e o reconhecimento quase certo do seu direito de enriquecer urânio a um baixo nível de concentração. O governo do Irão deveria considerar este facto como um sinal de que não só os EUA estão a levar a sério o acordo, como também de que qualquer que seja a proposta dos EUA, será provavelmente o melhor acordo que poderão conseguir.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/GGB2OnH/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.