A “Rotação” Desengonçada da América

NOVA DELI – A primeira viagem ao exterior do Presidente Barack Obama após vencer um segundo mandato realça a nova centralidade da Ásia relativamente à economia e segurança Americanas. Mas a viagem Asiática de Obama também sublinha a principal questão sobre a política Americana na região: Irá a “rotação” dos Estados Unidos para a Ásia adquirir um conteúdo estratégico concreto, ou continuará em larga medida um empacotar retórico de velhas políticas?

Os Estados Unidos, rápidos em capitalizar as preocupações regionais despoletadas pela assertividade cada vez mais musculada da China, fortaleceram os laços militares com os seus actuais aliados Asiáticos e forjaram relações de segurança com novos amigos. Mas o brilho arrebatado do retorno da América ao centro da ribalta Asiática obscureceu os desafios fulcrais da sua manutenção como a principal âncora de segurança face às ambições estratégicas da China.

Um desafio é a necessidade de suspender a erosão do poder relativo da América, que por sua vez requer uma abrangente renovação nacional, incluindo uma consolidação fiscal. Mas a necessidade de diminuir gastos também pode indicar a possibilidade de que os EUA sejam incapazes de financiar uma transferência militar para a região Ásia-Pacífico – ou, pior, que sejam forçados a economizar na região.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/4XHtQQI/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.