Adeus, Médio Oriente?

PARIS – Desde há algum tempo a esta parte tem ganho força uma certa visão estratégica: os Estados Unidos estão a tornar-se independentes em termos energéticos, abrindo o caminho para a sua retirada política do Médio Oriente e justificando a sua “rotação” estratégica no sentido da Ásia. Esta perspectiva parece intuitivamente correcta, mas será mesmo assim?

A faminta de energia América depende desde há muito do mercado global para satisfazer a sua procura interna. Em 2005, os EUA importaram 60% da energia que consumiram. Desde então, no entanto, a proporção de energia importada diminuiu, e essa tendência deve continuar. Espera-se que os EUA se tornem auto-suficientes em termos energéticos em 2020, e que se transformem num exportador de petróleo em 2030.

Este cenário proporcionaria aos EUA três vantagens enormes. Melhoraria a competitividade económica dos EUA, especialmente no que respeita à Europa, dados os menores custos envolvidos na extracção de petróleo a partir do xisto betuminoso. Também diminuiria a exposição da América ao crescente desconforto no mundo Árabe. Finalmente, aumentaria a vulnerabilidade do principal rival estratégico da América, a China, que se está a tornar cada vez mais dependente dos fornecimentos de energia do Médio Oriente.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/evliQDn/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.