Guerras de Drones

BRUXELAS – “Um dia organizarão uma guerra e ninguém aparecerá,” escrevia esperançosamente o poeta Americano Carl Sandburg em 1936. Hoje o seu sentimento parece mais adequado que nunca, mas não porque a humanidade se tornou pacifista. Pelo contrário, as guerras cada vez mais se travam remotamente, com drones – ou veículos aéreos não tripulados (VANT) – que cometem assassinatos.

Com o Presidente Barack Obama, o número de ataques de drones levados a cabo pelos Estados Unidos disparou, com mais de 300 ataques de VANT registados só no Paquistão. Em Março de 2011, a Força Aérea dos EUA treinou pela primeira vez mais pilotos para drones do que para qualquer outra função.

Isto levanta questões éticas sérias. Não implicando o risco de vida do pessoal militar, os VANTs tornam mais fácil matar, e fundamentar operações bélicas ao público interno. Além disso, a reticência do ser humano em matar está inversamente relacionada com a distância entre atacante e alvo. No caso de um piloto que controle drones sobre o Iémen, operando um joystick no Nevada, o limiar para carregar no gatilho é perigosamente reduzido. Matar transforma-se numa tarefa laboral, que será talvez seguida de bowling, ou de um calmo jantar em casa.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/QREcNCE/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.