A insanidade da América

BOSTON – Nos últimos anos, o declínio global relativo dos Estados Unidos tornou-se tema de debate frequente. Os que defendem uma posição pós-americana apontam a crise financeira de 2008, o período prolongado de recessão que se seguiu e a ascensão progressiva da China. Na sua maioria são especialistas em relações internacionais que, ao analisarem a geopolítica sob o prisma da competitividade económica, imaginam a ordem global como um balancé, em que a ascensão de um jogador implica, necessariamente, a queda de outro.

Mas o enfoque exclusivo nos indicadores económicos impediu que fossem tidas em conta as implicações geopolíticas de uma tendência interna dos EUA, que também é frequentemente debatida, mas por um grupo diferente de especialistas: os índices cada vez mais elevados de perturbações mentais graves nos EUA (que há já muito tempo se mantêm bastante elevados).

O argumento de que a propagação de perturbações mentais graves atingiu as proporções de uma "epidemia" foi ouvido tantas vezes que, tal como qualquer banalidade, perdeu a capacidade de causar impacto. Mas, as repercussões que têm na política internacional as situações incapacitantes diagnosticadas como doenças maníaco-depressivas (incluindo a depressão unipolar) e esquizofrenia não podiam ser mais graves.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/mts6Sr2/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.