O Momento G-Zero da América

NOVA IORQUE – A crise financeira de 2008 marcou o fim da ordem global como a conhecíamos. Antecipando a próxima cimeira do G-8, é impossível ignorar o facto de que, pela primeira vez em sete décadas, os Estados Unidos não podem fazer avançar a agenda internacional ou fornecer liderança global nos problemas mais prementes da actualidade.

Na verdade, os EUA diminuíram a sua presença no exterior ao recusar contribuir para um resgate da zona euro, intervir na Síria ou usar a força para conter o ímpeto nuclear do Irão (apesar de forte apoio Israelita). O Presidente Barack Obama terminou oficialmente a guerra no Iraque, e está a retirar as tropas dos EUA do Afeganistão, a um ritmo limitado apenas pela necessidade de manter as aparências. A América está a entregar o testemunho da liderança – mesmo que nenhum outro país ou grupo de países esteja disposto ou capaz para o receber.

Em suma, a política externa dos EUA pode estar tão activa como sempre, mas está a reduzir os seus efectivos e a tornar-se mais específica sobre as suas prioridades. Como resultado, muitos desafios globais – mudanças climáticas, comércio, escassez de recursos, segurança internacional, guerra cibernética, e proliferação nuclear, para referir alguns – tenderão a agigantar-se.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/URCsiOd/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.