A Síria e o 11 de Setembro

PARIS – Por um acaso, parece que o Congresso dos EUA decidirá, em ou por volta de 11 de Setembro, se irá apoiar a proposta do Presidente Barack Obama de resposta militar à utilização por parte do governo Sírio de gás venenoso contra civis. A sombra de dois acontecimentos anteriores que ocorreram a 11 de Setembro paira sobre o desfecho – na verdade, sobre o facto de a questão estar sequer a ser considerada.

Muito antes do 11 de Setembro se ter tornado um dia de infâmia nos Estados Unidos, adquiriu um significado similar no Chile, onde há 40 anos, a 11 de Setembro de 1973, as forças armadas, conduzidas pelo General Augusto Pinochet, derrubaram o governo democraticamente eleito do país. Mais do que qualquer outro acontecimento da nossa era, esse golpe violento foi responsável por lançar tanto o movimento contemporâneo global pelos direitos humanos como o movimento Americano para promoção internacional dos direitos humanos.

Em parte, isto reflectia a crueldade do novo regime. Mais de três mil pessoas foram assassinadas ou “desapareceram” durante o governo de Pinochet, outros milhares foram torturados pelas suas forças, e dezenas de milhares foram forçados ao exílio. A um grau ainda maior, porém, a motivação que impulsionou o movimento dos direitos humanos foi a repulsa mundial, incluindo dos EUA, contra a ajuda Americana às forças de Pinochet, uma política dirigida pelo Presidente Richard Nixon e pelo Secretário de Estado Henry Kissinger.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/P3evCMF/pt;