5

Após os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio

CAMBRIDGE - Em 2000, 189 países adoptaram colectivamente a Declaração do Milénio das Nações Unidas, que evoluiu para um conjunto de objectivos concretos designados por Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM). Estes objectivos ambiciosos - que visam reduzir para metade a pobreza extrema, reduzir em três quartos a taxa de mortalidade materna; alcançar o ensino primário universal e deter (e começar a reduzir) a propagação do VIH/SIDA - deverão ser cumpridos até ao final de 2015. Dada a proximidade do final do prazo, uma nova questão está agora a ser debatida pelos especialistas em matéria de desenvolvimento: O que vai acontecer a seguir?

É quase certo que muitos dos ODM não serão cumpridos até ao final de 2015, mas houve resultados surpreendentes ​​em algumas áreas. Por exemplo, o objectivo de reduzir para metade a pobreza extrema (que é medida pela percentagem de pessoas cujo rendimento é inferior a 1 dólar e 25 cêntimos por dia) será provavelmente alcançado antes do tempo, em grande parte graças ao crescimento fenomenal da China.

Simultaneamente há poucos dados que sugiram que esta vitória tenha resultado dos próprios ODM. A China implementou as políticas que desenvolveram o maior programa de erradicação da pobreza da história, antes e independentemente da implementação Declaração do Milénio e dos ODM.

No entanto, é evidente que os ODM obtiveram um triunfo em termos de relações públicas, não sendo de menosprezar o seu contributo. Tal como todos os esforços válidos de RP, os ODM serviram para sensibilizar, despertar a atenção e mobilizar para a acção - tudo por uma boa causa. Os ODM intensificaram o debate global a respeito de desenvolvimento e definiram os seus termos. E há evidências de que conseguiram que os países avançados prestassem mais atenção aos países pobres.