People participate in the 48-hour 'hackathon' event  ISSOUF SANOGO/AFP/Getty Images

A via alternativa de África para o desenvolvimento

WASHINGTON, DC – Previsões recentes indicam que vários países da África Subsaariana terão um crescimento económico robusto durante os próximos cinco anos. Em 2023, quase um terço das economias da região terão crescido a uma taxa anual média de 5% ou superior desde 2000.

Contudo, como notou o The Economist no ano passado, o modelo de desenvolvimento de África “confunde os economistas”. Afinal, só quatro dos países de elevado crescimento no continente dependem de recursos naturais. Nem o desempenho global se deve principalmente à industrialização, como preveriam os modelos tradicionais de desenvolvimento. Como se explica então o bom desempenho económico?

Novas investigações realizadas pela Iniciativa para o Crescimento de África da Brookings Institution e pelo Instituto de Investigação Internacional para o Desenvolvimento Económico da Universidade das Nações Unidas (UNU-WIDER) talvez consigam responder a esta questão. De acordo com o próximo livro Indústrias sem Chaminés: Repensar a Industrialização de África, existem provas que sugerem que a África Subsaariana está a sofrer uma transformação estrutural mais profunda do que pensamos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/TlLkHEM/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.