okonjoiweala9_BillyMutaiSOPAImagesLightRocketviaGettyImages_africanfieldworkeroncellphone Billy Mutai/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

Fazer com que a globalização funcione em África

WASHINGTON, DC – As actuais reacções adversas contra a globalização, principalmente de cidadãos pertencentes à classe operária das economias avançadas, preocupados com a estagnação salarial e a insegurança no emprego, sublinham o modo como os benefícios da integração económica global foram exageradamente promovidos, e como os seus custos foram subavaliados. Mas os efeitos da globalização sobre África e os seus cidadãos receberam muito menos atenção, apesar de se prever que o continente albergue mais de 40% da população mundial no fim deste século.

Tornar a globalização mais inclusiva obrigará a políticas que lidem com a desigualdade nas economias avançadas, e que impulsionem a convergência dos níveis de vida entre África e os países de rendimentos mais elevados. Os legisladores africanos, apoiados por parceiros externos, podem fazer a parte que lhes compete, acelerando a integração regional, colmatando as lacunas nas competências profissionais e nas infra-estruturas digitais, e criando um mecanismo que proteja e regule os dados digitais de África.

Desde que a primeira revolução industrial originou um aumento no comércio internacional, África permaneceu em grande parte à margem da economia global. Os principais beneficiários da globalização inicial foram as actuais economias avançadas, onde emergiram as tecnologias industriais. Isto, por sua vez, levou à “grande divergência” dos níveis de rendimento entre o Norte e o Sul Globais.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading and receive unfettered access to all content, subscribe now.

Subscribe

or

Unlock additional commentaries for FREE by registering.

Register

https://prosyn.org/FUiGMbRpt