African economic growth Steve Jordan/Stringer

A África continua a crescer?

WASHINGTON, DC –Entre 2000 e 2014, África cresceu a um ritmo forte, alimentando a crença na narrativa de uma Africa Rising" (Ascensão de África). Mas, desde 2015, o crescimento em toda a África subsariana enfraqueceu e as baixas perspetivas em relação aos preços dos produtos lançaram dúvidas na promessa económica de África, levando muita gente a questionar a narrativa “Africa Rising"e algumas pessoas a declarar a sua morte.

Tal ceticismo é, de certo modo, compreensível. O impacto dos preços do petróleo em 2014 atingiu especialmente várias economias africanas de forma intensa e desempenhou um papel na diminuição do crescimento agregado de 5-6%, em 2004-2014, para apenas 2,5%, em 2015-2017 –uma taxa que mal acompanha o crescimento da população.

Além disso, as três maiores economias do continente –Angola, Nigéria e África do Sul –sofreram enormes quedas no desempenho. No ano passado, as economias de Angola e África do Sul estagnaram, enquanto a economia da Nigéria, de facto, contraiu pela primeira vez desde 1991. As últimas projeções sugerem que estas economias irão vivenciar recuperações tépidas nos próximos anos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/ZIdlXxW/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.