Arif Hudaverdi Yaman/Anadolu Agency/Getty Images

Três desafios humanitários para a África em 2018

NAIROBI –Em meados de 2017, quando um surto de cólera na Somália ameaçou sobrecarregar os hospitais locais, os especialistas em saúde recearam o pior. Com uma devastadora seca, desnutrição e pobreza já endémica, um surto de diarreia mortífera parecia estar destinado a paralisar o estado frágil. Mas, apesar das terríveis previsões, a paralisia institucional foi evitada. Embora centenas de pessoas tenham morrido e muitas mais adoecido, a resposta coletiva administrada pelos governos, ONG e comunidades locais, incluindo as Sociedades do Crescente Vermelho nacionais apoiadas pelo movimento da Cruz Vermelha, controlou a doença.

A experiência da Somália dá-me muita esperança em relação ao futuro de África. Mas também serve como lembrete de que a capacidade local fica facilmente submersa durante os tempos de crise. Enquanto algumas zonas de África têm-se tornado autossuficientes em termos de saúde pública, outras continuam a depender fortemente da ajuda mundial. Para estas áreas, as parcerias são a melhor forma para se minimizar os riscos.

Este ano, há três desafios principais, em especial, que irão provavelmente representar os testes mais severos da habilidade de África em gerir crises humanitárias.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

Help make our reporting on global health and development issues stronger by answering a short survey.

Take Survey

http://prosyn.org/i4IZsDY/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.