Afeganistão sem saída

NOVA DELI – Apesar da agitação frequente e das sucessivas invasões, o Afeganistão manteve-se praticamente inalterado durante séculos. Há cerca de 120 anos, Winston Churchill descreveu a futilidade da guerra na região: “Financeiramente é ruinosa. Moralmente é perversa. Militarmente é uma questão em aberto e politicamente é um erro.” A análise de Churchill é, sem dúvida, aceite por muitos dos actuais responsáveis do executivo norte-americano e da NATO que procuram coordenar uma retirada do mais longo compromisso militar no estrangeiro da história americana.

Embora a guerra no Afeganistão possa ter resultado num número inferior de mortos e feridos norte-americanos em relação às guerras anteriores dos EUA, o custo humano continua a ser substancial - especialmente quando considerarmos o número de mortos e feridos de nacionalidade afegã. Além disso, foram desperdiçados biliões de dólares, começando já a desvanecer-se os poucos efeitos positivos da intervenção militar norte-americana e continuando a região a ser desestabilizada pelas suas inúmeras consequências adversas.

O Presidente dos EUA, Barack Obama, está agora a tentar negociar com o governo afegão um novo acordo sobre o "estatuto das forças", com vista a determinar o número de soldados norte-americanos que deverão permanecer no Afeganistão e os termos do seu destacamento. Porém, a verdade é que os EUA estão a desembaraçar-se de um conflito que perderam, tal como aconteceu no Vietname, há cerca de 40 anos, deixando a população sitiada entregue a si própria.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/4jPmzbu/pt;