Uma paragem de descanso para a Europa

PRINCETON – Na semana passada, durante um discurso bastante aguardado, o Presidente alemão Joachim Gauck advertiu em relação à busca cega de uma União Europeia “cada vez mais estreita”, reconhecendo que a crescente desigualdade entre os Estados membros está a gerar “um sentimento de mal-estar, até mesmo de raiva inconfundível”, e a aumentar o risco de humilhação nacional. Ele ressaltou que, além da crise económica, há “uma crise de confiança na Europa como projecto político”.

Embora Gauck tenha deixado claro que continua decididamente pró-Europa, ele destacou a necessidade de uma maior reflexão sobre o futuro da Europa - e, especialmente, da zona euro. Estando à beira de uma maior integração, os europeus estão hesitantes, “sem terem a certeza se devemos realmente caminhar numa jornada progressiva”. Enfrentar esta hesitação, disse ele, irá exigir um entendimento, profundo e cambiante do verdadeiro significado de “mais Europa”.

Gauck pode não ter dito o suficiente: Neste momento, uma união cada vez mais estreita pode ser uma miragem política. Qualquer progresso importante em direcção à estabilização da zona euro iria exigir um significativo compromisso financeiro – potencialmente ilimitado –; e a UE não está politicamente preparada para transpor esse começo. Simular repetidamente um avanço, seguido de um recuo, até ao ponto crítico, agrava as incertezas políticas e a vulnerabilidade económica.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/F924xun/pt;