Uma paragem de descanso para a Europa

PRINCETON – Na semana passada, durante um discurso bastante aguardado, o Presidente alemão Joachim Gauck advertiu em relação à busca cega de uma União Europeia “cada vez mais estreita”, reconhecendo que a crescente desigualdade entre os Estados membros está a gerar “um sentimento de mal-estar, até mesmo de raiva inconfundível”, e a aumentar o risco de humilhação nacional. Ele ressaltou que, além da crise económica, há “uma crise de confiança na Europa como projecto político”.

Embora Gauck tenha deixado claro que continua decididamente pró-Europa, ele destacou a necessidade de uma maior reflexão sobre o futuro da Europa - e, especialmente, da zona euro. Estando à beira de uma maior integração, os europeus estão hesitantes, “sem terem a certeza se devemos realmente caminhar numa jornada progressiva”. Enfrentar esta hesitação, disse ele, irá exigir um entendimento, profundo e cambiante do verdadeiro significado de “mais Europa”.

Gauck pode não ter dito o suficiente: Neste momento, uma união cada vez mais estreita pode ser uma miragem política. Qualquer progresso importante em direcção à estabilização da zona euro iria exigir um significativo compromisso financeiro – potencialmente ilimitado –; e a UE não está politicamente preparada para transpor esse começo. Simular repetidamente um avanço, seguido de um recuo, até ao ponto crítico, agrava as incertezas políticas e a vulnerabilidade económica.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/F924xun/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.