Recordar os Campos da Morte no Sri Lanka

NOVA IORQUE – A consciência colectiva do mundo quase não tem registo de uma das piores histórias de crimes atrozes das últimas décadas. Recordamos e reconhecemos a vergonha do Camboja, do Ruanda, da Bósnia e do Darfur. Sofremos com a incapacidade para deter as atrocidades cometidas quase diariamente na Síria. Mas, pelo menos até agora, o mundo quase não prestou atenção aos crimes de guerra e aos crimes contra a humanidade, comparáveis em termos de crueldade, a qualquer um daqueles: os campos da morte do Sri Lanka em 2009.

Há três anos, na sangrenta batalha final da guerra do governo do Sri Lanka contra os Tigres de Libertação separatistas do Tamil Eelam (LTTE), cerca de 300.000 civis ficaram encurralados entre o exército em avanço e os últimos combatentes do LTTE, numa zona que ficou conhecida como "The Cage" (A Jaula, ndt.)  - uma pequena faixa de terra, não muito maior do que o Central Park de Nova Iorque, situada entre o mar e uma lagoa no nordeste do país.

Nenhuma das partes mostrou qualquer contenção ou compaixão, tendo morrido, pelo menos 10.000 civis - possivelmente mais de 40.000 -no massacre que se seguiu, como resultado dos bombardeamentos indiscriminados do exército, dos tiroteios dos rebeldes e da recusa de fornecimento de alimentos e medicamentos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/k0GGmzM/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.