Skip to main content

nudi1_ABDUL MAJEEDAFPGetty Images_woman Abdul Majeed/AFP/Getty Images

A hipocrisia do aborto mata as mulheres

KISUMU, QUÉNIA – A oposição ao aborto é tão intensa que, mesmo quando as mulheres têm direito legal a interromperem a sua gravidez, pode ser extremamente difícil aceder aos serviços necessários ao exercício desse direito. Mas, pior do que isso, os opositores do aborto tendem a ignorar as falhas que levam originalmente as mulheres ao ponto de quererem abortar.

Numa perspectiva moral, existem fortes razões para respeitar a liberdade pessoal e a autonomia corporal de uma mulher, em vez de forçá-la a pôr em risco a sua saúde ou o seu bem-estar por levar até ao fim uma gravidez indesejada ou insegura. Porém, dado que esta questão está pejada de desinformação e distorcida por argumentos deslocados, os debates políticos não vão frequentemente a lado nenhum a menos que considerem o aborto, antes de mais, como uma questão de saúde.

Consideremos o caso do Quénia. Apesar de ter uma das leis sobre o aborto mais progressistas de África – uma mulher tem direito a interromper a gravidez se “existir necessidade de tratamento de emergência, ou se a vida ou saúde da mãe estiverem em risco, ou se for permitido por qualquer outra legislação escrita” – a oposição persistente ao aborto tem prejudicado a sua implementação. E isto sem falar das mulheres que não têm direito a abortar segundo estas regras.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

Help make our reporting on global health and development issues stronger by answering a short survey.

Take Survey

https://prosyn.org/O1ykvbS/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions