Destronar o Rei Carvão

MELBOURNE – No início deste ano, a concentração de dióxido de carbono na atmosfera atingiu as 400 partes por milhão (ppm). A última vez em que houve tanto CO2 na nossa atmosfera foi há três milhões de anos, quando o nível do mar era 24 metros mais elevado do que é hoje. Agora, o nível do mar está a subir outra vez. Em Setembro passado, o gelo marinho do Árctico cobriu a mais pequena área jamais registada. Todos menos um dos dez anos mais quentes desde 1880, altura em que se iniciaram os registos globais, ocorreram no século vinte e um.

Alguns cientistas do clima acreditam que as 400 ppm de CO2 na atmosfera já são suficientes para nos empurrar para além do ponto crítico, a partir do qual arriscamos uma catástrofe climática que transformará milhares de milhões de pessoas em refugiados. Dizem que precisamos de fazer descer a quantidade de CO2 atmosférico para as 350 ppm. Esse número está por trás do nome escolhido pela 350.org, um movimento popular com voluntários em 188 países que tenta resolver o problema da mudança climática.

Outros cientistas do clima são mais optimistas: argumentam que se deixarmos o CO2 atmosférico subir até 450 ppm, um nível associado a um aumento de temperatura de 2° Celsius, teremos 66,6% de probabilidades de evitar a catástrofe. Isso ainda nos deixa uma hipótese em três de catástrofe – probabilidades piores que as da roleta Russa. E está previsto que ultrapassaremos as 450 ppm em 2038.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/h63HEE7/pt;